Roma, de Adolfo Aristarain, é homenagem a uma grande mulher

Obra do cineasta argentino tem excessos, mas presenteia espectadores com personagens marcantes e prospecto de parte da história política da Argentina

roma_1_full-miniatura
Susú  Pecoraro interpreta mãe dedicada no filme ” Roma – Um nome de mulher”

23 de janeiro de 2017 – Cinema

Há tempos que “Roma – Um nome de mulher” (Roma, 2004), do cineasta argentino Adolfo Aristarain, estava na lista de filmes que gostaria de assistir. Felizmente, e depois de muito protelar, pude vê-lo. É inegável que a obra de Aristarain tem alguns excessos, mas ainda assim vale a pena apreciá-la.

Nesse filme, você vai ter a oportunidade de conhecer uma grande mãe, daquelas que quase todo mundo gostaria de ter. (Ah, o “quase” da última frase é só para evitar generalizações, porque elas quase nunca condizem com a realidade, ainda que, nessa mesma sentença, essa palavra pareça desnecessária para mim).

O enredo de “Roma- Um nome de mulher” é centrado na vida do escritor Joaquín Goñez, vivido pelo consagrado ator espanhol José Sacristán. Goñez precisa enviar a uma editora de livros o material que vai compor sua autobiografia e, para isso, recebe a ajuda do jovem jornalista Manuel Cueto (Juan Diego Botto), responsável por digitalizar seus manuscritos.

A partir daí, o amargurado escritor narra e comenta sua vida ao rapaz, e nós conhecemos passagens de sua infância, adolescência e juventude, bem como um pouco da história política da Argentina dos anos 1950 em diante.

Goñez narra a perda do pai (Gustavo Garzón) e as mudanças pelas quais sua vida passa depois desse acontecimento. Nessa caminhada, e à medida que o garoto cresce, vamos conhecendo seus amigos, seu gosto pela literatura e pelo jazz, sua relação com a política e sua paixão pela jovem Renée (Marcela Kloosterboer).

Goñez é um rapaz completamente mediano, que representaria muito bem a maioria dos jovens de sua época. Mas ele gosta das palavras e não se adapta ao padrão que normalmente a sociedade impõe a alguém que começa a envelhecer: ele quer viver da escrita, o que normalmente não é fácil; não leva dinheiro para casa e vive com a ajuda da mãe e com os trocados que recebe fazendo traduções e dando aulas de inglês.

Daí até se mudar para a Espanha e se tornar um escritor de sucesso é sua mãe quem o ajuda. Acompanhando a trajetória do filho, Roma, vivida pela atriz Susú Pecoraro, vai crescendo na trama e mostra por que, afinal de contas, é ela quem dá nome ao filme.

A obra de Aristarain peca pelo excesso: a narrativa se arrasta em duas horas e meia de filme; há tanta gente e tanta história que o espectador teme se perder. A própria Roma, no início do longa, é uma figura menor, enquanto a grande fonte de inspiração do pequeno Goñez parece ser o espirituoso pai.

Ainda assim, ela vai ganhando espaço na obra e, como faz a maioria das nossas mães, está sempre lá, quietinha, fazendo grandes sacrifícios pela felicidade do rebento.

É dela os melhores diálogos do filme e a melhor cena da obra. Sentada diante do piano que a acompanhou por toda a vida, Roma revela ao filho que ele nada lhe deve, nada precisa fazer e nenhuma meta precisa alcançar, porque a felicidade dele, seja lá como for, é sua única meta.

Roma libera o filho para ser quem ele é, sem que precise se prender a remorsos ou tentativas frustradas de alcançar metas impostas socialmente. O que Roma diz nessa cena é, certamente, algo valioso a se dizer a qualquer filho, principalmente se sua cria é daquelas que não consegue se ajustar ao que a sociedade faz com que esperemos das pessoas à medida que elas crescem.

Essa cena de Roma diante do piano é de fato comovente: justifica a personagem do filho, da mãe, o nome do filme e todo o resto. As palavras dela são, para mim, mais libertadoras e tocantes do que a própria atitude que ela toma para garantir que o filho possa realizar o desejo de tentar a sorte no velho continente (ação essa que o espectador vai descobrir lá pelo final do filme).

Vale lembrar que a obra faz referência à própria vida do diretor Aristarain. À época do lançamento, a crítica não foi tão generosa com o filme, mas eu ainda acho que o diretor fez uma bela homenagem a sua mãe.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s